//Morreu Manuel Fialho

Morreu Manuel Fialho

“O Alentejo perde uma figura de vulto que tanto contribuiu para a gastronomia, a cultura e o turismo do Alentejo”.

As palavras são de Vítor Silva, presidente da Agência de Promoção Turística do Alentejo, em comunicado distribuído pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo cujo presidente, António Ceia da Silva, recorda Manuel Fialho como “uma grande referência não só para o Turismo do Alentejo, mas também de Portugal. Nunca teremos a noção daquilo que efetivamente lhe ficámos a dever. Mas, principalmente, foi um grande amigo, um companheiro de luta.”

Vítor Silva afirmou ainda que “embora hoje o Alentejo fique órfão de uma figura amada e admirada por muitos, Manuel Fialho deixa muitos discípulos numa geração de cozinheiros que, através do seu trabalho, lhe prestarão uma homenagem diária”.

Manuel Fialho era um dos três filhos do fundador do Restaurante Fialho, de Évora, morreu no passado dia 25 de março, nesta cidade.

Foi um investigador na área da gastronomia alentejana que divulgou e lutou para preservar, fundador e presidente da Confraria Gastronómica do Alentejo, confrade da Confraria dos Enófilos do Alentejo e autor de diversas obras sobre a alimentação e gastronomia, destacando-se a ’Carta Gastronómica do Alentejo – Monumenta Transtaganae Gastronomica’, de que foi co-autor.
A sua intervenção direta com a área da restauração levou-o, durante quase duas décadas, à condição de presidente da delegação da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal – em Évora. Esta associação atribuiu-lhe, em 2018 a Medalha e Diploma de Honra pelo contributo prestado na elevação da gastronomia a ‘Património Cultural de Portugal’.