Misericórdias ensinam nutrição às famílias

Projeto Nutriciência, utiliza jogos interativos e uma rede social para promover hábitos alimentares saudáveis.

Permitir que as famílias aprendam mais sobre alimentação e nutrição é o objetivo deste projeto lançado pela Universidade do Porto, em parceira com a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e a Universidade de Oslo. O «Nutriciência: Jogar, Cozinhar e Aprender» pretende “aumentar a literacia nutricional das famílias portuguesas”, referem os promotores.

Em comunicado, Manuel de Lemos, presidente da UMP explica que ao associar-se a esta ‘iniciativa inovadora’, a União das Misericórdias Portuguesas pretende “contribuir para a adoção de hábitos saudáveis junto das famílias que já procuram apoio social junto das Misericórdias”.

“Através das novas tecnologias é possível criar momentos interativos que apoiem a educação alimentar e dessa forma contribuir para qualidade de vida destas famílias”, acrescenta Manuel de Lemos.

O coordenador do projeto e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, José Azevedo, disse que objetivo do projeto é que “as pessoas se divirtam enquanto descobrem novas curiosidades sobre alimentação e os benefícios da prática de uma alimentação saudável”.
José Azevedo deu como exemplo “a importância do aumento do consumo de fruta e hortícolas da época e de produção local e a diminuição da ingestão de açúcar e de sal”.

No projeto, inserido no programa “Iniciativas em Saúde Pública” e que vai entrar na segunda fase, gerido pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), participam pais, crianças do ensino pré-escolar e educadores de infância inseridos nos programas de resposta social das Misericórdias portuguesas.

As famílias envolvidas são desafiadas a participarem também num concurso televisivo de culinária, que visa premiar as receitas mais saudáveis propostas pelas famílias participantes no projeto.

Até ao momento, participaram no projeto Nutriciência cerca de 700 famílias portuguesas e mais de 200 educadores de infância, que integram os equipamentos das Misericórdias portuguesas.

Fonte: Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *