À Mesa com… Luis Filipe Borges

Luís Filipe Borges nasceu em Angra do Heroísmo, Açores, em 1977. Licenciado pela Faculdade de Direito de Lisboa é conhecido pelo grande público como apresentador de televisão, nomeadamente na RTP1, com o programa «5 para a Meia Noite», onde esteve até muito recentemente.

Luís Filipe Borges apresentou o programa de stand-up comedy «Sempre em Pé» na RTP2. Antes, alcançou grande êxito em quatro séries do talk-show «A Revolta dos Pastéis de Nata», no mesmo canal. Trabalhou também como argumentista nas séries «Conta-me Como Foi», «Liberdade XXI», «Manobras de Diversão», «Grandes Livros», «Não me Sai da Cabeça», etc.

Participa também em diversos projectos humorísticos, colabora com a imprensa e tem livros publicados em vários géneros.

Por andar sempre com uma boina tem a alcunha de «Boinas» desde os tempos da faculdade. Afirma que a usava “para marcar a diferença”, mas parece que já se livrou dela porque, como diz, não quer “acabar como o Abrunhosa”.

2O prato que mais aprecia tem «memórias» pois trata-se do “esparguete à bolonhesa da minha mãe” revela com os olhos a brilhar. O mesmo acontece quando se pergunta qual a bebida de que mais gosta pois «viaja» em direção aos Açores natal e declara que é «O Gin Tónico do Peter’s, na cidade da Horta, ilha do Faial.

Quanto ao que não consegue parar de comer, exclama: “Não me ponham pistachio à frente, por amor de Deus”. Se colocar o avental de cozinha, tem toda a certeza que lhe sai bem a Lasagna…”com a ajuda milagrosa da Bimby”. Na despensa não pode faltar “Vinho e queijo”.

Os três restaurantes que recomenda são: Casa do Peixe, em Angra do Heroísmo, La Dolce Vita, Parque das Nações, Lisboa e Alma, de Henrique Sá Pessoa, Lisboa.

 

Que relação tem com a enogastronomia?

Cada vez mais apaixonada, aliás vou acalentando o sonho de viver numa herdade e produzir vinho nos anos dourados. Nos brancos ainda sou um neófito mas nos tintos já vou aprendendo o suficiente para conseguir impressionar miúdas sugestionáveis. Nos últimos meses, até para bem da minha saúde, comecei a mudar os meus hábitos alimentares e tornei-os bem mais selectivos e variados. Descobri todo um novo amor pelos peixes e leguminosas. Portanto o meu conhecimento de vinhos brancos só pode crescer.

Qual a sua região preferida?

Em termos gastronómicos, e embora seja suspeito, acho que nada bate a carne, peixe e marisco dos Açores. Em termos vínicos, por influência paternal, as regiões do Douro e Dão. Mas Portugal é seguramente dos países mais ricos nestes aspectos e não há rigorosamente zona alguma do país que não tenha pelo menos uma especialidade de comer/beber e chorar por mais.

O que gosta num restaurante:

Um ambiente onde dê vontade de passar horas, música calma e baixa, alegria visível naqueles que lá trabalham, comida feita com amor, apresentação com esmero. Tudo características que se podem encontrar em qualquer género de estabelecimento, do gourmet à tasquinha.

O que não gosta num restaurante:

Se me servirem sem um sorriso ou um mínimo de maneiras podem ter a certeza que não volto lá. Também não aprecio restaurantes armados ao pingarelho nem a mania dos chef’s por dá cá aquela palha. Isto às vezes é como diz um amigo meu catalão: “bolas, de vez em quando só quero um prego ou um bitoque! Párem com as mariquices!”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *