À Mesa com…Carlos Alberto Moniz

Carlos Alberto Moniz nasceu em 1948 na ilha Terceira. Músico, maestro e cantor, é também compositor de centenas de canções, nomeadamente infantis.

Arranjador e diretor musical em teatro, são da sua responsabilidade as bandas sonoras de várias produções para cinema e televisão.

Em 1990 e 1992, Carlos Alberto Moniz foi o orquestrador e diretor de orquestra das canções representantes de Portugal no Festival Eurovisão da Canção. No pequeno ecrã, já apresentou, entre outros programas, “A Casa do Tio Carlos”, na TVI, e a “Arca de Noé” na RTP1, canal onde desde 2008 apresentou (com Diamantina), ao final das manhãs de sábado, o programa “Portugal sem Fronteiras”.

Na música continua a fazer espetáculos e lançou recentemente um novo trabalho intitulado «O Vinho dos Poetas».

O prato de que mais gosta é Leitão assado e a bebida, bem a propósito, espumante bruto.
Na cozinha o que lhe sai melhor é Sai almôndegas com molho de tomate e na despensa não pode faltar queijo, manteiga e pão.

Que relação tem com a gastronomia e os vinhos?

A relação que teria com o irmão que não tenho. Como uma irmã que me acompanha em todas as festas.

Qual a sua região preferida?

Não tenho uma região preferida porque de todas por onde passo guardo a paisagem, as falas, as gentes e… os sabores. E nunca peço uma receita porque, se aprender a fazê-la, deixo de ter saudades desses locais e vontade de lá voltar quando me apetece um determinado prato.

O que gosta num restaurante?

Limpeza, uma boa carta de vinhos e o sorriso de quem me atende, que torna a comida ainda melhor. Embora o empregado não tenha obrigação de aturar as piadas dos clientes, deve saber compreender a boa disposição destes. E não ignorar que, sobretudo quando o cliente está sozinho, sabe bem receber simpatia, carinho e afeto de quem nos serve, sem ser serviçal.

O que não gosta num restaurante?

Felizmente acontece cada vez menos, mas detesto ser servido por alguém que cheira a suor. E não gosto das atenções por obrigação, em que se percebe serem apenas de circunstância.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *