//Maçã de Alcobaça

Maçã de Alcobaça

Tradição de séculos fez com que Alcobaça ficasse co¬nhecida como ‘terra de maçãs’.

A história agrícola da região de Alcobaça começa em 1154, com a doação, por D. Afonso Henriques, à Ordem de Claraval, das terras onde foi construído o Mosteiro de Santa Maria. Provavelmente, os primeiros monges já teriam encontrado campos cultivados por populações autóctones, mas com pouco significado. Desde o início da sua instalação no Mosteiro, os monges de Cister terão reconhecido nas terras da região, situada entre a serra e o mar, condições atmosféricas ótimas para o cultivo de maçãs. Esta tradição de séculos fez com que Alcobaça ficasse conhecida como “terra de maçãs”, produto que impregnou a cultura das suas gentes. Curiosamente, a área ocupada pelos Coutos de Alcobaça é sensivelmente igual à que hoje se indica como delimitação para a produção da Maçã de Alcobaça.

Atualmente, a Maçã de Alcobaça é uma das riquezas da região e encontra-se sob Indicação Geográfica Protegida, que abrange cerca de catorze concelhos, mas a esta é a mais famosa das maçãs portuguesas incluídas nesta distinção. A existência de um sistema de controlo e certificação garante que só podem beneficiar do uso da IGP as maçãs obtidas em pomares para o efeito autorizados pela Associação dos Produtores da Maçã de Alcobaça (APMA), devendo os produtores obedecer a um conjunto de requisitos. Qualificada pela União Europeia e pelo Ministério da Agricultura em 1994, esta maçã possui características únicas, com um sabor agridoce e um aroma intenso. Apresenta-se nas variedades Royal Gala, Delicious, Jonagold, Fuji, Casanova de Alcobaça, Golden Delicious, Granny Smith e Reineta Parda. A sua produção obedece a uma estratégia inovadora, racional e controlada, que permite melhorar a qualidade, proporcionar segurança alimentar e contribuir para o equilíbrio ecológico do meio ambiente. Assim, o combate às pragas e às doenças das árvores é feito através de meios de luta cultural, biotécnica e biológica, alternativos ao uso de pesticidas, respeitando o ciclo natural da vida, o ambiente e a saúde do consumidor.

A maçã é colhida normalmente entre os finais de Agosto e meados de Outubro e, para além dos habituais processos de embalamento e de comercialização da fruta, são várias as empresas da região que têm procurado inovar na oferta de maçã no mercado, criando novas formas de consumo deste produto, como sumos naturais, purés, maçã fatiada, compotas, tarte de maçã.

Texto e fotos: Livro ‘ Os Sabores da Nossa Terra’: Leaderoeste – Associação para o Desenvolvimento e Promoção Rural do Oeste.