‘Luz verde’ para a Rota do Vinho dos Açores

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas do Governo dos Açores já garantiu meios para criação da Rota do Vinho daquele arquipélago.

O governante anunciou que o Governo dos Açores apoia a proposta da Associação de Municípios Portugueses do Vinho de criação uma Rota do Vinho nos Açores. João Ponte afirmou que com esta iniciativa “cria-se mais uma oportunidade de promoção internacional da Região na vertente enoturística, que é um segmento do mercado com grande potencial de crescimento”.

Na sua intervenção na Madalena, a propósito da Gala de Abertura da «Cidade do Vinho 2017», o Secretário Regional assumiu o compromisso de criar condições para serem disponibilizados equipamentos ligados a esta temática, como o Museu do Vinho, bem como todo o apoio técnico necessário.

Reconhecendo que tem vindo a ser realizado um trabalho notável nos últimos tempos na melhoria da qualidade do vinho e dos processos de produção, João Ponte defendeu a necessidade de “prosseguir este desenvolvimento no setor vitivinícola açoriano e reforçar a aposta na exportação para continuar a afirmar o vinho dos Açores como produto de excelência”.

Congratulando-se com a programação da «Cidade do Vinho 2017» o governante afirmou que “aquilo que está a acontecer na ilha do Pico é um bom exemplo. Mas é preciso igualmente continuar o esforço de modernização e de reconversão da vinha porque se trata de um potencial enorme para a economia açoriana”, afirmou.

O Governo dos Açores estima que, no final de 2018, existam cerca de 800 hectares de vinha apta a produzir vinhos DO (Denominação de Origem) e IG (Indicação Geográfica), o que significa um crescimento acentuado, atendendo a que há poucos anos eram apenas cerca de 100 hectares.

“Para melhorar a qualidade das vinhas e aumentar o conhecimento e a competitividade dos viticultores e produtores de vinho, o Governo dos Açores vai continuar a implementar medidas de apoio aos viticultores e às organizações de produtores”, assegurou o titular da pasta da Agricultura.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *