//Lapardana

Lapardana

A Lapardana faz parte da alimentação das gentes da borda d’água do Ribatejo, e constitui mais um dos muitos exemplos dos pratos dos tempos em que muitos passavam fome, e para os quais se recorria principalmente ao pão, juntando-se, neste caso, as batatas e as couves, com o azeite e o alho a dar sabor. Era confecionada e comida tanto pelos camponeses que trabalhavam nas lezírias como pelos avieiros que pescavam nas valas do Tejo. Por essa razão, tinha, muitas vezes, por acompanhamento o peixe do rio, outras vezes bacalhau, que ainda era, nessa altura, o “fiel amigo”. Mas qualquer que fosse o conduto, a sua quantidade dependia, obviamente, do orçamento familiar.
Hoje, a Lapardana já integra a oferta gastronómica de alguns restaurantes no território ribatejano.

Ingredientes
4 batatas médias; 600 g de pão duro de trigo; 4 folhas verdes de couve; 2 dl de azeite; 12 dentes de alho; 4 postas de bacalhau demolhado; sal e pimenta q.b.

Preparação
Cozem-se em água e sal as batatas cortadas em rodelas e a couve em pedaços ripados à mão. Quando a batata estiver cozida, escorre-se e reserva-se a água de cozedura. A couve está, nesta altura, ainda mal cozida mas é assim mesmo. Demolha-se bem o pão na água da cozedura que ficou de reserva. Pode juntar-se também um pouco de broa de milho, se houver. Põe-se o pão num tacho e leva-se ao lume com um terço do azeite, um terço dos dentes de alho migados e um pouco de pimenta, amassando-se bem com uma colher de pau a que se dava o nome de geribalde. Juntam-se as couves e as batatas e deixam-se fervilhar até se obter uma ‘açorda’ mole. Enquanto apura, assa-se o bacalhau sobre o lume. Dispõe-se a ‘açorda’ numa travessa funda, desfia-se o bacalhau em lascas grandes que se põe por cima. Rega-se tudo com o azeite bem quente e os alhos restantes.

Harmonização (sugestão da CVR Tejo)
Este é um prato de sabor muito forte, intensificado pelo azeite e pelo alho. Para o acompanhar, é indicado um vinho branco intenso e estruturado, cuja acidez vigorosa compense a força do prato. Procure um branco com estas características na Região Tejo.

Texto e fotos: Livro ‘Os Sabores de nossa Terra’: APRODER – Associação para a Promoção do Desenvolvimento Rural do Ribatejo.
(Empratamento ‘moderno’ – Escola Profissional de Vale do Tejo)