//“O guia Michelin é um sistema cruel”

“O guia Michelin é um sistema cruel”

Chefe sul-coreano diz que “é um insulto que o meu nome e restaurante sejam listados num guia corrupto”.

Eo Yun-gwon já desde 2017 que tenta sair do guia, mas continua a não ver a sua vontade satisfeita. Mas, tal como aconteceu com o Chefe Henrique Leis (Almancil-Algarve), que em julho renunciou à estrela Michelin que o seu restaurante detinha há 19 anos, os responsáveis não aceitam pois como explicou ao jornal Público o responsável de comunicação do Guia para Espanha e Portugal, Ángel Pardo Castro, essa é uma decisão livre dos inspetores. “Não fazemos o Guia Michelin para os chefs nem para os críticos. Fazemo-lo para os leitores”, sublinhava Pardo Castro.

Mas o chefe da Coreia do Sul decidiu mesmo processar a empresa do célebre guia gastronómico e afirmou que “apesar de aparecer referido no Guia Michelin possa até ser útil do ponto de vista promocional, eu não quero nenhuma ajuda de uma empresa tão opaca e subjetiva.

Apesar de o guia referir que o ‘Ristorante Eo’ apresenta uma “cozinha italiana altamente bem conseguida”, o Chefe diz-se revoltado com o facto de a Michelin apenas ter inspecionado cerca de 170 restaurantes em Seul, quando “há milhares” na capital sul-coreana passíveis de avaliações similares, ou “mesmo melhores e mais honestos”. Eo Yun-gwon vai mais longe e, no Facebook, acusa o Guia de “incluir à força” o seu restaurante por necessitar de ‘acompanhante’ de outros restaurantes sem demonstrar “os mínimos critérios definidos”.

De acordo com a CNN Eo enviou um e-mail à Michelin onde afirma que “inúmeros restaurantes e trabalhadores estão a desgastar as suas almas, dinheiro, tempo e esforço, para perseguirem a miragem de vir a possuir uma estrela Michelin”. E acrescenta que se trata do” teste mais cruel do mundo pois leva os chefes a trabalharem o ano inteiro à espera de um teste” que “nunca se sabe quando chegará”.

No guia para 2020 o ‘Ristorante Eo’ tem o símbolo de ‘Prato Michelin, uma distinção alternativa e de menor impacto do que a estrela ganha em 2017 e outra em 2018. A classificação atribuída para o próximo ano não é o motivo desta situação pois foi em 2017 que Eo Yun-gwon pediu para sair do guia.