//Crianças não entram

Crianças não entram

Podem os hotéis e restaurantes optar pela não admissão de crianças?

A resposta é sim, mas…
No caso dos hotéis, existem já praticamente por todo o mundo os ‘Adults Only’e não estou a falar de motéis ou afins. Trata-se normalmente de espaços mais luxuosos, onde os clientes pretendem relaxar sem a presença dos seus próprios filhos ou dos ‘filhos dos outros’, admitindo-se apenas jovens, normalmente com mais de 16 anos.
Em Portugal, procurando no Tripadvisor, encontramos pelo menos uma dezena de hotéis, no Algarve e na Madeira com a indicação de ‘Adults Only’, (ou Só Adultos) e com serviço de restaurante. Não encontrei, no entanto, quaisquer referências a restaurantes em território português, com a opção ‘Só Adultos’.

E entra aqui o mas… nomeadamente quanto à legalidade desta opção.
Contactei uma fonte ligada à área jurídica destas atividades, que começou por considerar tratar-se de um assunto muito delicado porque ‘mexe’ com crianças e não existe regulamentação clara e objetiva.
Trata-se, opinou, “de uma decisão no âmbito das regras de acesso, tal como, por exemplo, não permitir a entrada de pessoas com calças de ganga ou o chamado calçado ténis. Decisão que os responsáveis do estabelecimento podem tomar”.
O que é importante e deve ter-se em conta “é a necessidade de afixar essa informação de forma bem visível e em todas as ferramentas de comunicação do restaurante ou hotel, por exemplo, no site ou outros documentos promocionais”, afirma a minha fonte.
Portanto, conclui-se que não haverá impedimento legal para a opção de não aceitar crianças, totalmente ou apenas em alguns períodos horários.

Vejamos outros mas…
Os artigos publicados no Jornal dos Sabores em 14 de maio, com os títulos ‘Cozinha da Avó’ proíbe entrada a crianças e ‘Pés em cima da mesa’ no restaurante, foram lidos por milhares de pessoas e provocaram muitas centenas de comentários.
De um lado, quem se mostrou ‘chocado’ com a decisão do restaurante alemão, de não permitir a entrada de crianças no serviço de jantares. Do outro quem afirmou que sem dúvida seria cliente de um destes estabelecimentos, pois preferia saborear a refeição sem incómodos.

Mas…
… num outro artigo em que se mostrava um adolescente com os pés em cima de uma mesa, a esmagadora maioria dos comentários condenavam os pais (aparentemente na foto ao lado dos filhos) por não lhes terem incutido “educação” e por não intervirem. Houve mesmo quem afirmasse que se estivesse no local como cliente «refilaria» com os adultos acompanhantes ou mesmo com os responsáveis do restaurante.

Vamos por partes.
No caso da não admissão de crianças, de acordo com as informações acima reproduzidas, é um direito do empresário e, reconheça-se, o cliente tem sempre a opção de procurar outro restaurante onde possa levar as suas crianças. Se o empresário, com essa decisão, vai ter muitos ou poucos clientes ‘sem crianças’ é um risco que tem direito a correr.
Já a manifesta falta de ‘educação’ e comportamento indevido do adolescente que tem os pés em cima da mesa da refeição, a situação parece ser mais complicada, mas acredito que já todos nós passámos por situações em que nos apeteceu abandonar a sala, por não suportar o choro dos bebés e as birras das criancinhas ‘educadas’ da forma que os pais entendem ser mais apropriada.
E imaginem o nervosismo dos empregados quando querem circular entre as mesas, com uma garrafa de vinho ou um prato nas mãos e são obrigados a fazer ‘rali’ para se afastarem das criancinhas que estavam a incomodar a família.

Perante estas situações, não é admissível que o empresário possa pensar como seria bom ter um restaurante em que os clientes não corram o risco de lhes cair na cabeça a garrafa ou o prato que até era para outra mesa?

Então e os pais com crianças não podem frequentar restaurantes? Claro que sim e são a esmagadora maioria da oferta.

E quem não tem, ou prescinde de se fazer acompanhar pelas suas crianças não tem direito de escolher um estabelecimento para a apreciar a refeição e saborear um vinho sem que seja seja incomodado pelas ‘crianças dos outros’?

Por enquanto parece não existir nenhum restaurante em Portugal onde não seja permitida a entrada a crianças. Mas se souber de algum, espero lá ir, sem sentir que passo a gostar menos das minhas netas em particular e das crianças em geral.

Amilcar Malhó

Para o caso de não ter lido os artigos referidos:

http://jornalsabores.com/cozinha-da-avo-proibe-entrada-criancas/http://jornalsabores.com/cozinha-da-avo-proibe-entrada-criancas/