Conheça melhor o AZEITE, o ouro líquido indispensável nas mesas de Natal

2MeS9RPorque o bacalhau é um peixe bastante magro, o azeite é indispensável para temperar o bacalhau cozido com couves, tão tradicional no jantar de véspera ou no almoço do dia de Natal. E há quem continue a não dispensar o azeite para fazer os fritos de Natal.

O Azeite

No site da Casa do Azeite pode ler-se que esta é “uma gordura essencialmente monoinsaturada, rica em vitamina E e outros antioxidantes naturais (caroteno e polifenóis) que ajudam o nosso organismo a defender-se dos “radicais livres” responsáveis pelo envelhecimento celular, prevenindo os efeitos nocivos da idade sobre as funções cerebrais e o envelhecimento dos tecidos e órgãos em geral.

O Azeite tem uma composição em ácidos gordos essenciais que se aproxima da do leite materno e que proporciona o seu fornecimento adequado, atendendo às necessidades de um organismo em crescimento.

É a mais digestiva das gorduras. Absorvido antes de uma boa refeição protege as mucosas do estômago e protege-o contra as úlceras. Tomado como laxante (1 ou 2 colheres de sopa em jejum, com ou sem limão ou café) não irrita o intestino, não contrai demasiado a vesícula, não cria hábito. Actua nas doenças das vias biliares e da vesícula”.

Ao escolher azeite não deve dar grande importância à acidez pois esse é um fator que não está directamente relacionado com o seu sabor, mas sim com a qualidade fitossanitária das azeitonas.

Também a cor do azeite não determina a qualidade. Se é mais verde é porque resulta de azeitonas mais verdes, mais amarelo, indica como origem azeitonas mais maduras.Da cor do azeite pois esta não está relacionada com a qualidade. Azeites mais verdes são provenientes de azeitonas mais verdes enquanto azeites mais amarelos são provenientes de azeitonas mais maduras.

Se quer contribuir para a nossa economia e confirmar se o azeite tem origem 100% portuguesa, basta procurar no rótulo a menção “Azeite Português”, “Azeite de Origem Portuguesa” ou equivalente.

Várias investigações garantem que os azeites virgem extra são os mais benéficos para a saúde.

Lembre-se que um azeite pode indicar uma acidez baixa sem que isso signifique que se trata de um virgem extra. Tal poderá ficar a dever-se a métodos produtivos, como a refinação, que interferem na qualidade do azeite, reduzindo a sua acidez.

O azeite virgem extra com um sabor mais intenso é ideal para saladas e alimentos com sabor mais ameno. Quanto ao dito Azeite (azeite refinado) que resulta habitualmente de uma mistura de azeite submetido a um tratamento de refinação com um azeite virgem, pode funcionar bem em frituras, uma vez que é mais resistente às temperaturas elevadas.

A oliveira

Sabe-se que a oliveira era cultura frequente no Egipto há mais de 4000 anos. As trocas comerciais que sempre existiram naquela região contribuíram para a difusão desta árvore, mas terá sido com as invasões romanas que esta cultura conheceu maior difusão.

Calcula-se que existam atualmente cerca de mil milhões de oliveiras, 90% das quais em Portugal, Espanha, Grécia, Itália, França, Turquia, Marrocos e Tunísia.

Uma oliveira pode começar a dar frutos ao fim de oito anos, mas geralmente a sua capacidade produtiva só alcança o pleno ao fim de 15 a 20 anos.

As oliveiras são árvores de grande longevidade, sendo a mais antiga conhecida em Portugal a que existe em Santa Iria da Azóia, reconhecida pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) como tendo 2850 anos.

A mesma Universidade atribuiu a uma outra oliveira, na localidade alentejana de Monsaraz, 2450 anos de vida.

O maior olival do mundo localiza-se perto de Ferreira do Alentejo, onde são explorados 10 mil hectares de olival, a que correspondem10 milhões de árvores.

Curiosidades

Para extrair 1 litro de azeite são necessários, em média, 5 a 6 Kg de azeitonas.

Ao contrário do vinho, o azeite não melhora com o tempo, pelo que é aconselhável consumi-lo o mais cedo possível. Quando bem acondicionado, pode conservar-se, sem alteração das suas características, ao longo de 18 meses a partir da extracção.

Deve guardar-se em recipientes de vidro, de preferência escuro, ou em recipientes de folha de flandres ou de aço inox e manter-se em local fresco e sem luz.

Quando sujeito a temperaturas muito baixas o Azeite pode solidificar. Contudo, ele retomará o seu aspecto inicial quando volta à temperatura ambiente, não perdendo nenhuma das suas características.

Neil Amstrong deixou na lua um raminho de oliveira em ouro, como símbolo da paz.

Fotos:
Créditos Fotográficos
Azeite e azeitonas – Casa do Azeite/Nuno Correia
Oliveira/Azeitonas – Amilcar Malhó

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *