Confraria Gastronómica de Almeirim

Fundada em 1411 por D. João I, Almeirim era estância de recreio das gentes da Corte que, vindos de Lisboa, ali passavam momentos de lazer e diversão. Certamente que a gastronomia deste concelho ribatejano já nessa altura fazia as delícias dos visitantes, como acontece atualmente, sobretudo aos fins de semana em que os restaurantes enchem de apreciadores da sopa da pedra, dos vinhos e do saboroso pão denominado «caralhotas» (é assim mesmo, não há engano).

Mas porque a oferta gastronómica é muito mais vasta e havia que pugnar pela preservação e mesmo recuperação dos tradicionais hábitos alimentares locais, foi fundada em Maio de 2004 por um grupo de amigos que têm em comum o orgulho pela sua terra, a Confraria Gastronómica de Almeirim.

A opção pela constituição de uma Confraria como melhor figura associativa para os objectivos a que se propunha este grupo de amigos, é explicada “dado o seu significado ser o de congregação ou irmandade de pessoas que têm em comum o mesmo objectivo”, esclarecem.

Na cerimónia dos Capítulos, aos noviços entronizados é entregue o barrete e o colar de confrade, de acordo com o ritual, sendo-lhes igualmente exigido que aceitem como missão propósitos que vão além da gastronomia, nomeadamente, como se refere nos estatutos “a protecção do património cultural de âmbito gastronómico e enófilo do concelho de Almeirim, bem como a preservação do património etnográfico, histórico e tradicional deste concelho”.

No património de âmbito gastronómico a destaca-se, obviamente, a sopa da pedra que vale por uma refeição e que, por isso, muitos chamam de «prato pesado». E esta não é uma alusão à pedra que sempre deve ser incluída para manter viva a lenda do frade engenhoso que fez uma saborosa e substancial sopa, a partir de uma pedra num tacho com água.
Mas há que não esquecer o famoso melão de Almeirim, a Caldeirada de Bacalhau, a Carne da Matança, a Mão de Vaca com Grão e o Bolo Finto de Almeirim, entre outras saborosas propostas.

A Confraria lançou em 2013 duas novas propostas gastronómicas. A trouxa de pedra, com base nos enchidos de Almeirim, ingredientes fundamentais da sopa da pedra e o pastel de frade, feito com feijão e batizado com o nome ao frade da lenda da sopa da pedra.

Os cerca de 30 confrades efetivos que actualmente integram a Confraria Gastronómica de Almeirim afirmam-se conscientes dos objectivos da associação que integram, e que passam por “zelar pelas boas usanças da arte gastronómica e enófila, promover os produtos do concelho de Almeirim recorrendo para tal à organização de eventos de cariz diverso tais como, mostras e festivais gastronómicos, provas de vinhos, conferências e simpósios e demais acções de carácter promocional em defesa do património cultural, histórico e tradicional do concelho de Almeirim e ainda assegurar a digna e condigna representação do concelho de Almeirim em todos os eventos em que for solicitada a sua presença”.

Os mais de uma dezena de anos de atividade de atividade colocaram esta confraria num patamar de integração no concelho que se traduz, para além de outras atividades, na realização da «Sopa da Pedra e do Petisco» que entre 31 de agosto e 4 de setembro de 2016 assinala a 4ª edição.

Esta confraria, enquanto associação, está organizada em quatro tipos de corpos sociais:

O Cabido Geral, presidido pelo Confrade Mestre, que funciona como Assembleia Geral.
O Grão Conselho, que funciona como direcção, presidido pelo Grão Confrade.
A Chancelaria do Provimento, presidida pelo Grão Chanceler, que funciona como Conselho Fiscal.
O Concelho dos Anciãos, que funciona como órgão consultivo dos restantes corpos sociais e é presidido pelo Grão Conselheiro.

Sempre que representam a Confraria, os confrades devem usar o traje que é constituído por:
calças de coz alto, colete e jaqueta em cotim militar e camisa branca, inspirados no vestuário de trabalho do concelho de Almeirim na primeira metade do século XIX, completados por botas ou sapatos de cor escura, e um barrete preto.
Como adorno, um colar em forma de fita vermelha e verde, com uma colher de madeira presa na ponta.

O logótipo da Confraria Gastronómica de Almeirim tem como elementos representativos os touros e a água da lezíria ribatejana, a colher de pau, que representa a gastronomia, e as cinco quinas de Portugal. A cor púrpura, que é também a cor de fundo da bandeira de Almeirim, simboliza a ligação ao vinho.

No próximo dia 21 de maio esta Confraria realiza mais um capítulo (interno) para entronização de novos confrades.

One thought on “Confraria Gastronómica de Almeirim

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *