//Componente do vinho pode ser ‘útil’ em Marte

Componente do vinho pode ser ‘útil’ em Marte

No ambiente marciano, o resveratrol pode evitar enfraquecimento dos músculos dos astronautas.

“Após três semanas no espaço, o músculo humano encolhe um terço e verifica-se uma perda de fibras musculares de comutação lenta, que são absolutamente necessárias para a resistência”. Quem o afirma é a coordenadora de um estudo científico no Beth Israel Deaconess Center da Universidade de Harvard segundo o qual o resveratrol, um produto químico presente naturalmente nas peles dos bagos de uva e consequentemente no vinho pode preservar a função muscular e os suplementos de resveratrol revelaram ser capazes de promover um aumento significativo na massa muscular e proteção a composição das células dos músculos.

Marie Mortreux explicou que o corpo humano foi concebido para funcionar melhor com a gravidade, como força de sustentação e por esse motivo, a atrofia muscular é uma consequência quase imediata das viagens espaciais. A análise das tripulações de voos espaciais, ao longo dos últimos 50 anos, concluiu que os astronautas podem perder até 20% da sua massa muscular em menos de duas semanas.

Quem vive e trabalha a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) contraria esse efeito fazendo exercício diário, durante várias horas e, mesmo assim, muitos regressam à Terra debilitados e passam por um processo de reabilitação de vários meses. Os astronautas, numa missão a Marte, que tem apenas 40% da gravidade da Terra, podem passar entre seis a nove meses expostos a estas condições.

Ora este estudo sugere que o resveratrol, componente químico presente no vinho tinto, pode evitar que os músculos dos astronautas fiquem enfraquecidos, no ambiente marciano, de gravidade reduzida. É no entanto necessário um estudo mais aprofundado para avaliar os efeitos de doses diferentes e a reação deste componente a outros suplementos ou medicamentos.