Chegou o novo ‘Quinta da Costa das Aguaneiras 2012’

Com a assinatura da Lavradores de Feitoria, acaba de chegar ao mercado o novo ‘Quinta da Costa das Aguaneiras tinto 2012’. Com este vinho, o colectivo de 15 produtores quer mostrar ao mundo o verdadeiro Douro em vinho, um terroir de personalidade forte, honrando esta tradição de bons néctares, complexos e elegantes. Um néctar que nasce em solos xistosos e em vinhas com idades entre os 30 e os 60 anos.

O ‘Quinta da Costa das Aguaneiras 2012’ tem na sua base, uvas de Touriga Nacional provenientes de vinhedos em encosta virada para Sul, com alguma Tinta Roriz. A sua vinificação em lagar de pedra e estágio em barricas de carvalho francês conferiram-lhe corpo, fruta madura, complexidade e grande potencial de evolução em garrafa. Um DOC Douro igual a si mesmo e que reúne as melhores características dos típicos vinhos da região, a juntar às muitas outras referências de assinatura dos “Lavradores” que espelham diferentes estilos, como o ‘Meruge’, de traços franceses.

De cor vermelha viva e profunda, este tinto é bastante frutado e intenso no nariz, revelando amora e um toque de cássis, com notas de baunilha que advêm do seu estágio em madeira. No palato começa fresco e saboroso, com taninos suaves mas presentes. Ainda na boca, a sua boa acidez, complexidade e corpo adivinham longevidade.

Preço de venda ao público recomendado: €18,49

Sobre a Lavradores de Feitoria:

A Lavradores de Feitoria, Vinhos de Quinta S.A. é um projecto único, criado em Setembro de 2000 e que resultou da união de 15 produtores, proprietários de 18 quintas distribuídas pelos melhores terroirs do Douro, repartidas pelas três sub-regiões (Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior). Actualmente compõe a estrutura da empresa 48 accionistas, dos quais 15 são produtores, e 19 quintas, uma delas já adquirida com o capital da empresa. Juntos, somam uma área total de vinha superior a 600 hectares. Estes produtores – com participações distintas no capital da empresa, sob uma só marca, uma só adega e uma só equipa de enologia – juntaram-se para partilhar recursos e criar sinergias de forma a conseguirem o que sozinhos não conseguiriam. Pela primeira vez no Douro, um grupo de convictos durienses associou saberes e experiências, inovação e tradição. Um esforço conjunto e solidário que marcou uma nova época para o Douro. Partilha e associativismo, concertados de uma forma moderna, razoável e inteligente, são os valores subjacentes à Lavradores de Feitoria.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *