Carne de laboratório e insetos: comida do futuro?

Peixe, carne criada em laboratório e insectos como fontes alternativas de proteína animal são sugeridos por investigadores.

Alertando, mais uma vez, que a criação de animais para consumo humano significa menos saúde e pior ambiente, os investigadores de academias de ciências dos países da União Europeia, Noruega e Suíça, com base num estudo recente, afirmam: “Pela saúde humana e pelo ambiente, os padrões de consumo alimentar terão que mudar”, aponta-se no documento elaborado por um conselho que reúne.

A redução do consumo de proteína animal seria um dos passos a dar, argumentam os investigadores, que defendem que se deve investigar até que ponto os consumidores estariam disponíveis para aceitar alternativas inovadoras.

Oportunidades não faltam nos oceanos mas é preciso dominar mais as técnicas de criação de recursos para consumo humano, enquanto a cultura de carne ‘in vitro’ “pode ter um impacto ambiental mais baixo do que a criação de gado e isto também tem que ser investigado”.

“As alternativas às formas tradicionais de proteína animal que a Europa poderia admitir incluem alimentos dos oceanos, carne criada em laboratório e insetos”, refere-se.

Os investigadores apelam aos decisores para que se acabe com “os perversos incentivos no preço das dietas calóricas e se introduzam incentivos à alimentação nutritiva a preço razoável”.

Os países da União Europeia devem saber mais sobre o desperdício nos ciclos alimentares para o poder reduzir e cumprir os objetivos da economia circular.

Pela via da genética, os investigadores salientam que “a Europa não deve abrandar nas oportunidades oferecidas pela engenharia genética e agricultura de precisão”.

Aos decisores políticos, recomenda-se que tenham em conta as descobertas nesses campos para ganhar em “saúde animal e produtividade e para a agricultura”.

“As alterações climáticas vão ter impactos negativos na alimentação, exigindo-se a prática de agricultura adequada ao clima e adoção de inovações na criação de plantas para enfrentar as secas”, salienta-se no documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *