//Caldeirada de Alcochete

Caldeirada de Alcochete

A larga frente do concelho de Alcochete virada para o Mar da Palha condicionou o modo de vida das populações ribeirinhas, que encontravam na atividade piscatória um meio de subsistência como complemento do trabalho nos campos ou nas salinas. A bordo dos barcos, os alcochetanos pescavam e comiam o que as águas lhes davam, preparando as suas caldeiradas com os produtos que tinham trazido de terra. Mas o paladar destas caldeiradas era diferente, pois os marítimos, puxando do mar um balde com água, nela amanhavam e lavavam os peixes e demais ingredientes.

Ingredientes
3 kg de peixe – tremelga ou tramelga, chocos, pata-roxa, safio, tamboril e eirozes; 1,5 kg de batatas; 1 kg de cebolas; 1 kg de tomates; 2 pimentos; 2 dentes de alho; 2 dl de azeite; 1 molho salsa; 1 molho coentros; 1 folha de louro; sal, pimenta ou piripiri q.b.

Preparação
Amanha-se e salga-se o peixe uma hora antes de ser cozinhado. Num tacho, deita-se o azeite, o alho, a folha de louro, os coentros, a salsa e uma camada de tomates maduros, outra de cebolas e outra de pimentos, tudo cortado às rodelas. De seguida, colocam-se os chocos cortados aos pedaços e com pele, deixando ferver em cachão durante 5 minutos.

Acrescenta-se água para o caldo, juntam-se as batatas cortadas aos quadrados e deixa-se ferver um pouco. Finalmente, juntam-se os peixes por ordem de dificuldade de cozedura: tremelga, pata-roxa, safio, tamboril e eirozes. Tempera-se com piripiri ou pimenta, a gosto, e retifica-se o sal. As eirozes, colocadas no cimo e de cozedura mais rápida, devem ser retiradas para um prato. Se levar sardinhas, sem tripas nem cabeças, o processo é idêntico. Serve-se a caldeirada e só depois se distribuem as eirozes ou as sardinhas com uma escumadeira e com cuidado, para não as escangalhar.

Harmonização proposta pela CVR Península de Setúbal
Procure-se um vinho branco bem estruturado, seco no palato e com álcool equilibrado. Persistente, para acompanhar o sabor a coentros, incluídos na receita.