//Britânicos receiam escassez de alimentos

Britânicos receiam escassez de alimentos

Brexit sem acordo poderá causar “escassez” e “perturbações graves” no fornecimento de alimentos ao Reino Unido.
O alerta é da Federação de Alimentos e Bebidas cujo presidente declarou à estação de rádio BBC Radio 4: “O setor da alimentação é muito claro ao dizer que uma saída sem acordo representa um resultado desastroso, mas nunca dissemos que o país vai passar fome. Vai haver alguma escassez selecionada e esta será, até certo ponto, aleatória porque depende dos camiões passam e dos que não passam”, disse Tim Rycroft, presidente da federação que representa cerca de 7 mil empresas.

Como refere a agência Lusa, o Reino Unido importa da União Europeia 28% da comida que consome e, dependendo da altura do ano, certos vegetais ou frutas, como alfaces e tomates, podem representar até 90% das vendas no mercado britânico.

As preocupações do setor alimentar devem-se ao facto de a UE ter anunciado que, no caso de um Brexit sem acordo, serão imediatamente implementados controlos alfandegários, inspeções de segurança alimentar e verificações das normas europeias nas suas fronteiras com o Reino Unido, o que poderá fazer demorar a passagem de produtos agro-alimentares entre o Reino Unido o resto da Europa, feita maioritariamente através do Canal da Mancha.

Rycroft acrescentou que a data do Brexit é a “pior altura” do ano para o setor de alimentos devido à necessidade de reforçar as reservas com alimentos para a época do Natal, o que levou a Federação de Alimentos e Bebidas britânica a pedir ao governo que implemente medidas especiais e exonere as empresas das leis sobre a concorrência que impedem uma coordenação em termos de armazenamento e preço.

Por outro lado, Lee Rotherham, ativista a favor do Brexit, considera que as perturbações serão pequenas e temporárias, justificando a sua opinião com a explicação: “O que eu quero dizer é que vai exigir uma lomba na estrada, não uma parede”, refere a Lusa.