Angola provoca «trambolhão» nas exportações de vinho

Mais do que uma queda, a descida de 55% de exportações de vinho para Angola face ao ano anterior, provocou o que alguns chamam de verdadeiro «trambolhão».

1.1Tendo em conta os últimos seis anos, as exportações de vinhos portugueses caíram pela primeira vez, em 1,1%, prejudicadas pela quebra do mercado angolano, adiantou o DN/Dinheiro Vivo. As vendas para Angola reduziram-se em 54,8% em valor e em 67,6% em volume. Uma queda que não foi compensada pelos aumentos em mercados como os EUA, Canadá e China.

Citado pela publicação, o presidente do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), Frederico Falcão, referiu ao DN que “não fora o mercado angolano e os números tinham sido fabulosos”. Uma afirmação que tem em conta o facto de globalmente Portugal ter exportado, no ano passado, 2,770 milhões de hectolitros de vinho, com um valor próximo dos 730 milhões de euros, registando um preço médio de 2,62 euros por litro.

Estados Unidos, Holanda, Alemanha ou Canadá são mercados que registaram acréscimos significativos, que variam entre os 1,9% e os 8,7%.

Já a China, cresceu 23,7% e a Federação Russa mais do que duplicou as compras.

O presidente do IVV defendeu, no entanto, que apesar dos resultados agora divulgados, não se deve desistir do mercado angolano porque “todos sabemos que é uma economia muito dependente do preço do petróleo, mas todas as estimativas apontam para uma retoma”.

Vinho verde

Já as exportações de vinho verde cresceram em 2016 quase 10%, totalizando quase 60 milhões de euros no 12.º ano consecutivo dos verdes a bater máximos históricos nos mercados internacionais.

Com um plano de promoção anual orçado em 3,1 milhões de euros, os verdes vão, em 2017, apostar num novo mercado: a Dinamarca.

Douro

As exportações de vinhos da Região Demarcada do Douro caíram 0,4% em quantidade – “inferior à quebra nacional”, revelou Manuel Cabral, do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto -, mas em valor cresceram 1,3%, atingindo os 365 milhões de euros.

Fonte: DN/Dinheiro Vivo

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *