Alimentação «fez» portugueses crescerem 14 cm

Alimentação mais saudável, melhores cuidados de saúde e a prática de exercício físico orientado nos últimos cem anos em Portugal, fizeram os homens crescerem quase 14 centímetros e as mulheres 12.5.

Atualmente, os portugueses medem, em média, 172.9 centímetros, enquanto as portuguesas ficam pelos 162. Mas, quando se fala de alturas, são os homens holandeses e as mulheres letãs (Letónia) que ficam acima de todas as outras nacionalidades.

“Nos últimos 60 a 70 anos, aumentou o acesso a determinados alimentos, que potenciam que seja atingido o crescimento máximo, muitas vezes condicionado pelas dificuldades de acesso a proteína de qualidade e ao cálcio”, explicou ao DN Pedro Graça, diretor do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da Direção Geral da Saúde.

Além de se ter começado a produzir mais carne e de o pescado ter ficado mais disponível, Pedro Graça lembra que “o preço relativo da proteína animal também baixou, quando comparado com os vegetais”. Além da nutrição, o diretor do programa da DGS refere, ainda, a “generalização da atividade física: o ser humano passou a ter mais possibilidades de desenvolver o corpo”.

Os suecos, que em 1914 eram os mais altos do mundo, foram destronados pelos holandeses, que subiram do 12.º lugar do ranking para o primeiro, com uma altura média de 182.5 centímetros. Já as mulheres da Letónia, que agora apresentam uma média de altura de 169.8 centímetros, estavam em 28.º lugar em 1914.
Os dados fazem parte de um estudo publicado na revista eLife, no qual participaram 800 investigadores da área da saúde, que analisaram dados de mais de 18 milhões de pessoas em 200 países, no período de 1914 a 2014, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Segundo o mesmo, os homens mais baixos são os timorenses, com uma altura média de 159.8 centímetros. Já as mulheres mais pequenas vivem em Guatemala e não chegam a atingir um metro e meio (149.4 centímetros).

Fonte: DN

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *