//Alimentação e coronavírus

Alimentação e coronavírus

“Não existe propriamente uma relação entre a doença covid-19 e a alimentação, contudo, há um conjunto de dúvidas que, quer a população, quer os profissionais de saúde têm colocado relativamente à alimentação”, refere Maria João Gregório, diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da DGS, entidade que lançou um manual que apresenta várias orientações para o consumo, planeamento e compra de alimentos para além, naturalmente, de sublinhar a importância das “boas práticas de higiene e segurança”.

O documento esclarece que não existe transmissão através dos alimentos e sugere orientações para o planeamento e a compra de alimentos e seis passos para uma alimentação saudável em tempos de covid-19.

No manual sugere-se a escolha de produtos e alimentos com um prazo de validade mais longo, a compra de produtos frescos e indica os alimentos e quantidades que são necessárias para assegurar a alimentação durante um período de 15 dias. Os alimentos seguem as orientações da roda dos alimentos e a quantidade é deixada à consideração da população, uma vez que depende da “capacidade de armazenamento” de cada família.

Há também um espaço reservado a informações relacionadas com oestado nutricional dos idosos, porque “sabemos que o estado nutricional dos idosos muita das vezes não é o mais adequado, portanto, neste manual colocamos um conjunto de orientações relativamente à sua alimentação”, refere Maria João Gregório.

Entre outras questões, o manual recomenda que este grupo etário, consuma duas a três porções de fruta por dia, que a sopa de hortícolas esteja presente nas duas refeições diárias e que devem consumir carne, pescado e ovos nas duas refeições.

Saiba mais sobre este manual em: https://nutrimento.pt/activeapp/wp-content