Adolescente alimentou-se só de tomate durante 12 anos

Liam Pierce alimentou-se de tomate ao natural, sopa de tomate, compota de tomate, feijão com tomate, pizza de tomate e ketchup.

A dieta do britânico Liam Pierce, durante 12 anos incluiu algumas opções em que o tomate não era a base, mas sempre com ketchup ou outros acompanhamentos «tomatados».

Esta dieta peculiar não era, no entanto, um capricho mas sim um distúrbio psiquiátrico. O jovem revelou numa entrevista da rádio à BBC que “a minha sensação quando pensava em comer outros alimentos, era a mesma de uma pessoa com aracnofobia ao ver uma aranha. Era como sair da minha zona de conforto”.

De acordo com a notícia replicada em vários sites e blogs, a doença de Liam é rara e pouco conhecida: “síndrome de alimentação seletiva” (também conhecida como SED ou ARFID, na sigla em inglês).

Especialistas afirmam tratar-se de uma neofobia alimentar (aversão a alimentos novos) que afeta principalmente as crianças e pode se estender até a adolescência.

A principal consequência é a deficiência nutricional, situação que pode prejudicar o desenvolvimento intelectual, o crescimento, as defesas e desempenho académico, disse à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC) Jesus Roman, presidente da Sociedade Espanhola de Dietética e Ciência dos Alimentos (SEDCA).

Um exemplo semelhante foi o da adolescente britânica Jennifer Radigan, que só comia batatas fritas e queijo e apareceu na imprensa em 2015.

Liam Pierce diz que foi quando leu na comunicação social sobre outros casos que percebeu que poderia estar a sofrer da mesma coisa, e começou a pesquisar sobre o tema.

“Os médicos disseram que eu era simplesmente uma criança mimada”, diz Liam. “Mas isso não é assim”, acrescenta. “É uma doença real e é difícil explicar porque muitas pessoas não entendem.”
Alguns estudos norte-americanos já encontraram milhares de casos que respondem aos critérios deste distúrbio alimentar.

Mas a história de Liam tem um final feliz pois o jovem já começou a incluir novos alimentos na sua dieta. E a mudança, diz ele, deve-se a terapia de hipnose.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *